fbpx
20.1 C
Vitória
quinta-feira - 17 de outubro de 2019
DiaaDiaES.com.br
Área de 17 mil quadrados foi desmatada e queimada. Fotos: Polícia Ambiental

Produtor desmata 17 mil metros quadrados de mata nativa para plantar café no Caparaó

Agentes da Polícia Militar Ambiental e do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf) flagraram na última quarta-feira (2) uma área de desmate 17 mil metros quadrados (1,7 hectare) na zona rural de Divino de São Lourenço, na Região do Caparaó.

No terreno, situado no Córrego do Pavão, a equipe constatou que a vegetação de Mata Atlântica em estágio médio de regeneração foi degradada e queimada para dar lugar à plantação de café. O proprietário, de 23 anos, foi autuado e levado até a delegacia, onde foi lavrado boletim de ocorrência.

Leia também: Agricultor desmata 10 mil metros quadrados de floresta para plantar abacate em Vargem Alta

Os policiais chegaram até o local após uma denúncia anônima. Segundo informações da Polícia Ambiental, o dono foi localizado e admitiu aos agentes ser o autor do desmate e da queimada.

Ainda de acordo com a equipe, ele confessou não ter solicitado ao Idaf a autorização para adotar tais procedimentos.

“A área fica embargada e o material lenhoso, 30 m³ (trinta metros cúbicos) de madeira nativa, apreendido, permanecendo no local, conforme citado nos documentos administrativos confeccionados pelo Idaf”, informou a diligência.

Pés de cafés já estão crescendo no terreno, que foi embargado

O jovem foi enquadrado no artigo 38-A da Lei Federal 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais). Conforme a legislação, é proibido “destruir ou danificar vegetação primária ou secundária, em estágio avançado ou médio de regeneração, do bioma mata atlântica, ou utilizá-la com infringência das normas de proteção”.

A pena é de detenção de um a três anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente. Quem flagrar irregularidades como essa pode ligar para o Disque Denúncia (181). A chamada é gratuita.

Carregando....