fbpx
20.1 C
Vitória
quinta-feira - 17 de outubro de 2019
DiaaDiaES.com.br
Foto ilustrativa: Creative Commons

De olho na salada: governo suspende a venda de 32 marcas de azeite

Olho vivo no azeite que você vai colocar na sua salada ou no preparo de pratos variados. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento suspendeu nesta quarta-feira (2) a venda de 32 marcas de azeite por adulteração. 

Ao todo, 59 lotes dos produtos foram flagrados com irregularidades, sendo que a maior parte das fraudes envolve a mistura de azeite com óleo de soja e óleos de origem desconhecida.

Em relação à fiscalização realizada em abril de 2018, houve uma redução nas fraudes. Na ocasião, 46 marcas estavam irregulares.

Inicialmente foi divulgado um total de 33 marcas, mas o azeite Oliveiras do Conde já estava suspenso desde julho.

Marcas de azeite suspensas 

• Aldeia da Serra

• Barcelona

• Casa Medeiros

• Casalberto

• Conde de Torres

• Dom Gamiero

• Donana (premium)

• Flor de Espanha

• Galo de Barcelos

• Imperador

• La Valenciana

• Lisboa

• Malaguenza

• Olivaz

• Olivenza

• One

• Paschoeto

• Porto Real

• Porto Valencia

• Pramesa

• Quinta da Boa Vista

• Rioliva

• San Domingos

• Serra das Oliveiras

• Serra de Montejunto

• Temperatta

• Torezani (premium)

• Tradição

• Tradição Brasileira

• Três Pastores

• Vale do Madero

• Vale Fértil

Fiscalizações

As fiscalizações são resultantes da Operação Isis, iniciada em 2016. O nome é uma referência à deusa do antigo Egito que detinha o conhecimento sobre a produção das oliveiras. Os lotes adulterados se referem a coletas realizadas em 2017 e 2018.

O processo de identificação de fraudes é demorado e envolve exames laboratoriais, notificação dos fraudadores, perícias, períodos para apresentação de defesa (podem apresentar dois recursos) e julgamentos de recursos em duas instâncias administrativas. 

Mais rigor

A fiscalização deve ficar ainda mais rigorosa em 2020. O Ministério da Agricultura estuda a utilização de aparelhos portáteis, que fazem análise preliminar precisa, no momento da fiscalização, sem a necessidade de aguardar os resultados laboratoriais que em geral demoram mais de 30 dias entre a coleta e a divulgação do laudo.

Carregando....