fbpx
DiaaDiaES.com.br
Caminhoneiros estão sendo abordados na BR 101. Foto: PMES
Geral

Covid-19: fiscais param veículos nas divisas do Estado

A adoção de fiscalização sanitária nas divisas do Espírito Santo com os estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e na Bahia já começou a funcionar nesta quarta-feira (25). A medida foi anunciada na tarde de terça-feira pelo governador Renato Casagrande como forma de conter a propagação do coronavírus.

As ações de fiscalização estão acontecendo na BR 101 Sul, BR 101 Norte e BR 262, em Pequiá. Nelas, profissionais de saúde do Corpo de Bombeiros com ambulâncias, Polícia Militar, Exército e Polícia Rodoviária Federal (PRF), além de servidores do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), estão fazendo a abordagem dos veículos.

O trabalho é feito por amostragem para evitar filas nas estradas e os ocupantes dos veículos têm que responder a um questionário com perguntas sobre origem e destino da viagem. Também está sendo realizada a medição de temperatura das pessoas. Se alguém apresentar sintomas de febre, a orientação é procurar uma unidade de saúde.

Abordagem em Pequiá, na BR 262. Foto: PMES

“A PM faz o direcionamento dos veículos no local, o balizamento, e o Corpo de Bombeiros realiza a abordagem. Nela, é feito o aferimento da temperatura corporal da pessoa para verificar se ela tem febre. Também é aplicado um pequeno questionário para verificar se a pessoa tem tosse ou outros sintomas da Covid-19. Em caso de sintomas, a gente desloca a pessoa para um hospital na nossa ambulância”, explicou o comandante da 2ª Companhia do Corpo de Bombeiros de Guaçuí, tenente José Guilherme Boechat.

Amostragem

De acordo com o comandante da 15ª Companhia Independente de Polícia Militar de Mimoso do Sul, major Nerio Filho, nenhum condutor está sendo impedido de entrar ou sair do Espírito Santo.

“O que está sendo feito é uma fiscalização por amostragem, mais focada em caminhões com abordagens, verificação de temperatura das pessoas e de sintomas. O apoio da PM é no sentido de dar segurança aos fiscais sanitários para que as verificações possam ser feitas. Não há barreira, não é fechado. A fiscalização é feita tanto para quem entra quanto para quem sai do Espírito Santo”, afirma o comandante.

Com informações de Alessandro de Paula

Carregando....